Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil, Manutenção, Montagem, Estradas, Pontes, Pavimentação e Terraplanagem do Estado do Espiríto Santo


Aviso: Homologações

Devido ao transtorno causado pelo COVID-19, as homologações ocorreram somente as terças-feiras das 09:00 às 12:00 horas.

Sem perícia presencial, acidentes e contaminações por Covid seguem subnotificadas

Data: 07/04/2021

Na calada da Semana Santa, a bancada do governo e o centrão converteram a Medida Provisória nº 1.006, de 2020 na Lei 14.131 de 30 de março, o que deixará mais uma vez os segurados do INSS sem perícia médica presencial e resultará na continuidade da  subnotificação de benefícios acidentários e de contágio laboral por Covid até 31.12.21. 

 

A suspensão  da perícia médica presencial no ano de 2020 aumentou a fila de segurados sem perícia em mais de 700 mil pessoas aguardando, entre os 14,3  milhões de desempregados,  o auxilio-doença/pensões e/ou  aposentadoria por invalidez. Pior : houve um corte em mais de 60% nos benefícios por incapacidade acidentária.

Segundo a assessoria de Saude e Previdência da Fetquim-CUT,  no comparativo entre os anos de 2019 e 2020, a partir dos dados dos Boletins Mensais da Previdência Social (BEPs), houve um declínio brutal dos benefícios acidentários.  

Em 2019 foram concedidos 195.959  auxílios doenças acidentárias. Em 2020, houve só 1/3 de concessões:72.067. Este massacre persistiu na invalidez acidentária: em 2019 foram 11.281, e em 2020, somente 3.952 concessões.

Ao mesmo tempo esta subnotificação acidentária prejudicará o cálculo do Seguro Acidente via Fator Acidentário de Prevenção, o que favorece enormemente as empresas que não terão acidentes e  contaminações registradas e gerará um desequilíbrio enorme na sustentabilidade das contas acidentárias na Previdência.

Entenda a tramitação

Com a  Lei 14.131, de 30 de março de 2021, a Medida Provisória nº 1.006 foi emendada pelo Centrão no Congresso com a continuidade de concessão do auxílio doença sem perícia presencial do INSS até 31.12.21. O que pareceria ser uma boa medida, no entanto, prejudica  os direitos acidentários ou de contaminação laboral por Covid, pois sem a  perícia presencial ou telemática por videoconferência, esses direitos não serão reconhecidos como acidentários. A atual gestão da Previdência continua a adotar medidas fiscalistas e punitivas contra os direitos dos segurados que serão grandemente prejudicados com a supressão da estabilidade no emprego por um ano após acidentes e contágio laboral pela Covid  e prejudicará os trabalhadores em relação aos futuros benefícios de aposentadoria especial. 

Direção  da Fetquim e Sindicatos da área química protestam contra esse novo corte em pleno pique da pandemia

Airton Cano, coordenador da Fetquim, denuncia: “Não podemos compactuar com mais uma medida castradora de direitos para os trabalhadores que principalmente no setor industrial tem se dedicado todos os dias na produção e continuam a se acidentar, e também agora a se infectar com a Covid, apesar de todas as medidas exigidas pelos sindicatos junto as empresas e garantias nas convenções coletivas”. Cano reivindica que “ a vacinação  para todos é urgente”.

Para o secretário geral do Sindicato dos Químicos do ABC, Paulo José dos Santos, o Paulão, “essa nova lei irá dificultar ainda mais a concessão de benefícios por doença para os trabalhadores". "Agora não basta só o atestado do médico sua assinatura e CRM, querem exigir também exames complementares. Poderiam muito bem resolver a questão com a perícia por videoconferência. Isso mostra que a Previdência está sendo sucateada por falta de novos concursos para médicos peritos e profissionais no atendimento na Previdência.”   Paulão reafirma que "trata-se de mais uma maldade do governo Bolsonaro com a classe trabalhadora em plena Semana Santa. Retira mais direitos dos trabalhadores e está sempre indo na contramão da ciência.”

André Alves, secretário de Saúde da Fetquim,  lembra que é importante que os trabalhadores procurem os seus sindicatos. "Registrem na internet os acidentes e contaminações por Covid no sistema da Previdência Social. Apresentem o maior número de documentos e relatórios médicos que têm em mãos para que seus direitos acidentários e de contaminação sejam reconhecidos. Precisamos continuar a resistir contra esse governo que corta direitos dos trabalhadores.”  

André ainda denuncia que “a Covid está aumentando no interior de São Paulo e no SUS estão faltando leitos, e diversas categorias profissionais estão cada vez mais expostas, como profissionais de saúde, coveiros e guardas municipais.

"Os trabalhadores químicos e farmacêuticos estão trabalhando a todo vapor, com exaustão e pressão psicológica contínua, além de assédio. Enfim,  Bolsonaro corta e liquida direitos, sendo até pior que a contaminação por Covid que está matando mais de 350 mil trabalhadores.” 


CUT BRASIL - Escrito por: FETQUIM/CUT



(27) 99696-3966

Rua Pereira Pinto, 37, Centro, Vitória/ES, 29.016-260